Anaspra - Criada em 14/09/2007, possui o objetivo de estruturar um processo de permanente e eficaz reivindicação junto ao Governo Federal, bem como o poder judiciário.

LINK
Qua 01, 2018

Como o país acompanhou nas últimas semanas, os praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do

Continue...
LINK
Ter 01, 2018

Desde a noite de domingo, 7 de janeiro, o presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), sargento Elisandr

Continue...
LINK
Qui 01, 2018

Em assembleia geral, policiais e bombeiros militares do Rio Grande do Norte decidiram manter o movimento Segurança c

Continue...
LINK
Ter 12, 2017

Profissionais das Polícias Militar e Civil, além dos bombeiros militares, do Rio Grande do Norte (RN) estão desde

Continue...
LINK
Qua 01, 2018

Como o país acompanhou nas últimas semanas, os praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do

Continue...
LINK
Ter 01, 2018

Desde a noite de domingo, 7 de janeiro, o presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), sargento Elisandr

Continue...
LINK
Qui 01, 2018

Em assembleia geral, policiais e bombeiros militares do Rio Grande do Norte decidiram manter o movimento Segurança c

Continue...
LINK
Ter 12, 2017

Profissionais das Polícias Militar e Civil, além dos bombeiros militares, do Rio Grande do Norte (RN) estão desde

Continue...

 

Como o país acompanhou nas últimas semanas, os praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte pressionaram o governo por condições dignas de trabalho, salário em dia e pelo fim do descaso com a área da segurança pública. Em resumo, lutaram por seus direitos.

Com a população insegura e a classe militar insatisfeita, os reflexos e prejuízos logo se tornaram evidentes. Após inúmeras tentativas de negociação com o governador, Robinson Faria (PSD), a solução parecia distante.

 

Governo acata pleito dos militares

 

Na segunda-feira, 08/01, realizou-se a primeira reunião, que durou cerca de sete horas e estabeleceu os 18 pontos que deveriam ser contemplados no acordo com o governador do Estado.

Já na terça-feira, 09/01, após intensa articulação e argumentação, os representantes da categoria e das entidades de classe do RN e de outros estados reuniram-se com o chefe do Executivo e chegaram a uma solução vitoriosa para os policiais que trabalham naquele estado.

Toda a cúpula do Governo do Estado, comandantes-gerais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar participaram do encontro. Ao final, foi concluído os termos de compromisso e acordo extrajudicial com 25 pontos.

"É um movimento que sai vitorioso e serve de exemplo para o país inteiro, em termos de organização, coordenação e participação. Foi fundamental e fantástico", avaliou o presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), Elisandro Lotin.

“Apenas para exemplificar a dimensão dos avanços, em 15 dias o governo encaminhará à Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte um projeto de lei que extingue a pena de prisão disciplinar e implementar o Código de Ética”, disse o presidente da Associação de Praças de Minas Gerais (Aspra/MG), Marco Bahia. RN será o segundo estado, depois de MG, a abolir a pena de prisão disciplinar - uma das principais bandeiras da Anaspra.

Entre outras conquistas, estão a regulamentação da carreira dos militares de acordo com o Estatuto da PMRN; o pagamento do 13º salário até o final de janeiro; e o pagamento de dezembro, que será quitado até o dia 12 de janeiro.

“Houve um avanço histórico para a corporação deste estado. O governador também indicou que não haverá punição para os militares que aderiram ao movimento reivindicatório, seja na esfera administrativa ou criminal”, explicou Bahia. 

O movimento também repercutiu em todo o país, e nos principais meios de comunicação. Nesses momentos, o presidente da Anaspra pode falar sobre a situação da insegurança no país. "A segurança pública no Brasil está abandonada, os índices de violência no Brasil estão aumentando gradativamente nos últimos dez anos, e isso se dá, entre outros motivos, porque as polícias dos Estados estão sem as mínimas condições de trabalho, em especial nos Estados mais populosos”, explicou Lotin. "Dessa forma, se a gente não consegue ter o mínimo do mínimo, que são condições de trabalho adequadas e salários dignos, fica impossível desenvolver segurança pública. E o movimento do RN expôs essa realidade de penúria das instituições para o povo potiguar e para a população brasileira."

 

Solidariedade

Para ajudar a resolver o impasse, diversas associações da classe militar em âmbito federal e estadual estiveram no Rio Grande do Norte para auxiliar nas negociações. "O apoio da sociedade, das entidades organizadas e das associações representativas foi fundamental, contribuindo com um desfecho positivo”, considerou Lotin.

Entre os presentes, estavam os diretores da Aspra/MG, Marco Bahia (presidente) e o Heder Martins (diretor jurídico). Também fortaleceram o movimento o presidente da Associação Nacional dos Praças (Anaspra), Elisandro Lotin, o presidente da Associação de Praças de Pernambuco (Aspra/PE), José Roberto Vieira, o presidente da Associação dos Praças de Alagoas (Aspra/AL), Wagner Simas, e o presidente da Associação de Praças do Ceará (Aspramece), Pedro Queiroz da Silva, além de deputados federais ligados aos praças.

O presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos da PM do RN, Eliabe Marques da Silva, externou o agradecimento às lideranças de praças de outros estados. “Nossos colegas foram fundamentais para resolvermos o impasse e chegarmos a um bom termo”, elogiou.

Veja em detalhes as 25 cláusulas do acordo firmado entre os representantes dos praças e o governador do Rio Grande do Norte

 

Com informações da Aspra/MG

Desde a noite de domingo, 7 de janeiro, o presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), sargento Elisandro Lotin de Souza, está em Natal (RN) para acompanhar a mobilização dos praças da Polícia e Corpo de Bombeiros Militar pelo movimento "Segurança com Segurança". O deputado federal Subtenente Gonzaga, de Minas Gerais, também acompanhou a comitiva de apoiadores, que contou ainda com a presença do presidente da Associação de Praças de Minas Gerais (Aspra/MG) e Diretor Jurídico da Anaspra, sargento Marco Bahia. Eles se reuniram com representantes das associações de praças e de outras entidades da segurança pública, além autoridades estaduais políticas e eclesiásticas.


Na segunda-feira (08/01), no final da tarde, o presidente da Anaspra acompanhou a reunião entre os representantes das associações de praças do RN e secretários de Estado do governo potiguar. Foram apresentados 19 pontos de reinvindicações para serem discutidos com o Executivo, entre eles, a integralização dos salários de novembro, dezembro e o 13º salário, em todos os níveis e faixas salariais, normalização da infraestrutura de trabalho, como viaturas e fardamentos, além do estabelecimento de uma política salarial.
 

"As lideranças das entidades de praças, junto com a representação da Anaspra, estão construindo uma conclusão ao movimento, apesar de algumas dificuldades imposta pelo governo”, avalia Elisandro Lotin.


Antes, o presidente da Anaspra já havia concedido entrevista para a rede nacional de TV SBT, na qual ele destacou que movimento dos profissionais de segurança pública não é greve, "mas sim em um movimento pela legalidade", na qual se pede o pagamento de salários e condições de trabalho dignas". "Tudo isso são questões legais", frisou.


Ainda na segunda-feira (08/01), o presidente da Anaspra, ao lado do deputado Gonzaga, visitou a sede do 4º Batalhão e pode constatar as condições degradantes das viaturas, do armamento e, inclusive, das condições físicas do imóvel.


Outra reunião, na parte da manhã, foi com o arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, recebeu os representantes do movimento. O líder religioso se comprometeu a abrir um canal diálogo com o governo.


Lotin também participou do velório do cabo Carlos Alberto Araújo da Costa, na própria sede da ASSPMBMRN (Clube Tiradentes). Ele foi assassinado, no domingo, 7, com nove tiros pelas costas.
 

Nesta terça-feira, 9 de janeiro, haverá nova assembleia da categoria para discutir os andamentos da negociação com o governo.