Anaspra - Criada em 14/09/2007, possui o objetivo de estruturar um processo de permanente e eficaz reivindicação junto ao Governo Federal, bem como o poder judiciário.

LINK
Qui 11, 2017

A semana de 20 a 24 de novembro será de muitas atividades para a Associação Nacional de Praças (Anaspra) e as ent

Continue...
LINK
Seg 11, 2017

  Conforme reportagem apresentada pelo Fantástico, o Ministério Público Federal (MPF) abriu uma ação co

Continue...
LINK
Sex 11, 2017

Representantes de 14 estados da federação, em alguns casos com a participação de integrantes de mais uma entidade

Continue...
LINK
Ter 11, 2017

O Plenário da Câmara dos Deputados deve votar nesta terça-feira (07/11) projetos da área de segurança públi

Continue...
LINK
Qui 11, 2017

A semana de 20 a 24 de novembro será de muitas atividades para a Associação Nacional de Praças (Anaspra) e as ent

Continue...
LINK
Seg 11, 2017

  Conforme reportagem apresentada pelo Fantástico, o Ministério Público Federal (MPF) abriu uma ação co

Continue...
LINK
Sex 11, 2017

Representantes de 14 estados da federação, em alguns casos com a participação de integrantes de mais uma entidade

Continue...
LINK
Ter 11, 2017

O Plenário da Câmara dos Deputados deve votar nesta terça-feira (07/11) projetos da área de segurança públi

Continue...

 

A semana de 20 a 24 de novembro será de muitas atividades para a Associação Nacional de Praças (Anaspra) e as entidades estaduais. Uma série de debates vão acontecer no Congresso Nacional sobre assuntos de interesse dos praças do Brasil.

 

Além de de reuniões e audiências públicas, também vão acontecer conversas com os senadores com o objetivo de colocar na pauta de votação do Senado o Projeto de Lei da Câmara 148/2017, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias militares e os corpos de bombeiros militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal.

 

Todos os praças e dirigentes das associações estaduais de praças estão convidados para participar das atividades em Brasília, bem como participar e assistir pela internet. Confira:

 

Agenda de atividades da ANASPRA:

 

Dia 21/11 (terça-feira), às 10h

Audiência Pública debate a ação civil pública impetrada pelo Ministério Público do Estado do Ceará com a finalidade de inviabilizar o funcionamento das Associações representativas dos Policiais e Bombeiros Militares que especifica.

Na Comissão de Legislação Participativa - CLP

Local: a definir

Contará com um representante da Associação Nacional dos Praças Policiais e Bombeiros Militares - ANASPRA

 

Será uma audiência interativa e poderá participar pela internet:

https://edemocracia.camara.leg.br/audiencias/sala/569

 

 

Dia 22/11 (quarta-feira), às 8h

Reunião da Frente Parlamentar em Apoio a Adoção no Brasil do Ciclo Completo de Polícia.

Local: No Restaurante do Subsolo do Anexo III da Câmara dos Deputados
 

 

Dia 23/11 (quinta-feira), às 9h

Audiência Pública para debater o debater o PL 7.908/2017, que dispõe sobre a audiência de custódia de adolescente acusado de ato infracional

Na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado - CSPCCO

Local: Anexo II, Plenário 06, Câmara dos Deputados

Contará com um representante da Associação Nacional dos Praças Policiais e Bombeiros Militares - ANASPRA

 

Será uma audiência interativa a qual poderá ser assistida pela internet:

https://edemocracia.camara.leg.br/audiencias/sala/563

 

Todos os dias


Mobilização pela aprovação do PLC 148/2017.
No Senado Federal.

 
Conforme reportagem apresentada pelo Fantástico, o Ministério Público Federal (MPF) abriu uma ação contra a Taurus, a marca mais usada pela polícia em todo o Brasil. Segundo os promotores, disparos acidentais e defeitos de fabricação colocam em xeque a vida de quem carrega essas armas e provocam acidentes fatais - em especial policiais militares e civis.
 
A reportagem apresentou casos de policiais militares que foram mortos ou feridos por causa de defeitos em armamentos de fabricação da Taurus, por meio de disparos acidentais sem a ação dos agentes.
 
A Anaspra tem acompanhado essa situação desde as primeiras denúncias e até ajudou a promover uma audiência pública na Câmara dos Deputados para debater o assunto e apresentar denúncias desses acidentes. A reunião foi realizada em agosto do ano passado pela a Comissão de Segurança Pública colher relatos de policiais sobre os defeitos apresentados nas armas fornecidas aos órgãos de segurança pública da União e dos Estados. Veja os depoimentos abaixo.
 
No começo deste ano, entidades, instituições e órgãos que ocupam representação no Conselho Nacional de Segurança Pública - Conasp - já encaminharam pedidos à Presidência da República e ao Ministério da Justiça para a realização de uma reunião extraordinária do colegiado a fim de debater o tema. Até agora não houve resposta.
 
Segundo a reportagem, a MPF quer que empresa pague R$ 40 milhões aos cofres públicos e faça uma revisão (recall) de dez modelos que estão em uso no país. "Coloca nossos policiais em uma situação de risco", disse a procuradora da República Lívia Tinôco à TV. Nos EUA, após acordo com a justiça local, a indústria deverá pagar algo em torno de R$ 69 milhões entre revisões, trocas e recompras de armamentos.
 
 
 
Depoimentos